Blog

Ensino Médio
Compartilhar:

O MOMENTO DE ESCOLHER - Rosa Maria Cardoso

      Geralmente o momento de fazer escolhas nunca é fácil. As coisas complicam-se mais quando não aprendemos durante toda uma vida a fazer escolhas, pois deixamos toda uma vida a fazer por nós: “É mais fácil, não tenho que pensar muito, e não tenho que assumir a responsabilidade de umaescolhaDe repente.... Não dá mais. Tenho que escolher o que quero fazer. E mais: tem que ser para a vida toda. ”

      Que peso, não? Fazer uma escolha sem poder errar, e carregar o peso desta escolha. Muitas vezes, encaramos a escolha de uma profissão desta forma: sem muita demora, de maneira irremediável- para toda vida. “Aí, como é muito difícil, me dá um medo enorme de ter que conviver a vida toda com algo que não sei muito bem o que é, que não sei se vai dar certo esse negócio de optar, de ter que dizer não para todas as outras opções e escolher apenas uma, eu fico paralisado. Não consigo sair do lugar. Pensando bem, pode ser um bom negócio, uma boa opção, pois enquanto isso eu não tenho que lidar com as perdas de uma escolha, abandonar todos os outros sonhos. Enquanto não decido, posso ser médico, dentista, veterinário, cientista e, além disso, não tenho que assumir o risco de: e se não der certo? E se não aceitarem meu sonho? E se eu não ganhar dinheiro? Será que vão continuar gostando de mim, caso não tenha sucesso? ”

      Às vezes, escolhemos em função do nosso consumismo enraizado - “Escolho o que tem brilho, o que chama a atenção. E aí faço escolhas por cursos glamurosos, do momento. De repente, penso.... Puxa meus pais queriam que eu fizesse tal curso para continuar o que eles começaram. Que tal? Hum... me parece mais seguro."

      Escrevo tudo isso porque vivencio constantemente essas inquietações, dúvidas de vários orientandos que passam pela minha sala, e gostaria de poder ajudá-los nessa escolha.

      Provavelmente, se você não se vê nesta situação, reconhece isso em alguém que está bem perto de você. Ou talvez se você pensar um pouquinho mais, vai perceber que, até nem tenha se permitido pensar em tudo isso, que é melhor manter tudo isso bem longe, bem distante. “Posso ser contaminado, né? E aí, como vou lidar com as dúvidas, incertezas, medos? É melhor deixá-las bem escondidinhos e escolher o que me parece, uma profissão mais rentável, do que “sonhar”. Para que correr o risco de escolher um curso que talvez não seja o “meu”? E aí penso: as coisas são assim mesmo. O melhor é não pensar. Vamos ser práticos e objetivos- o que é que dá mais dinheiro, hein? Como se eu chegasse numa loja e tivesse que escolher um produto que eu pudesse usar e sair por aí, ostentando uma grife conhecidíssima, e as pessoas olhariam e diriam: puxa, este sabe o que quer, este sabe viver. “Viver ostentando um rótulo”.

      Sem a pretensão de fazer este caminho menos sofrido, menos penoso, gostaria de te lembrar de que o risco sempre existe. Mas às vezes, vale a pena correr o risco e ir ao encontro de você mesmo. Não se esconda atrás de rótulos, de ideias preconcebidas das profissões. Tenha uma visão real delas, e isso você pode conseguir lendo mais a respeito delas, conversando com profissionais. E aí, é lógico, se você se esbarrar em questões financeiras, lembre-se de que vivemos num mundo de constantes mudanças, e aquilo que hoje é seguro pode não ser daqui a dez anos, mas se você escolhe um curso que realmente gosta, você terá muito mais energia para investir, não é mesmo?

      Para isso, é necessário que você se dê ao direito de saber um pouquinho mais sobre você. É hora de pensar em suas habilidades, aptidões. Mas perceba que existem coisas que pode fazer, independentemente da escolha, pode fazer por hobby.

      Veja-se nas profissões que você pensa em escolher, se você tem realmente o perfil dessa profissão. Todas as profissões têm um perfil. Veja se você se vê nessa profissão.

      Escolher significa também ir em busca dos seus sonhos, mas acima de tudo faça uma escolha. Assuma um compromisso com você e tenha a coragem de conhecer-se um pouco mais! A partir daí as coisas acontecem.

 

Para ajudá-lo na hora da escolha....

  • Faça uma análise profunda e sincera sobre o que você quer na sua vida. Veja-se exercendo a profissão e se ela corresponde aos seus projetos.

  • Esqueça o modismo e as ideias preconcebidas das profissões. Uma profissão que é rentável hoje, pode não ser amanhã. Escolher um curso de que você realmente gosta, já é meio caminho para o sucesso.

  • Procure saber mais sobre você. Suas habilidades e aptidões. Fazer uma lista das atividades que não têm nada a ver com você já é um bom começo.

  • Leia a respeito das profissões escolhidas, as atividades diárias e campos de atuação. Converse com profissionais e estudante de cada curso, visite empresas e universidades.

  • A decisão sobre a carreira é exclusivamente de sua responsabilidade. Ouvir os pais e amigos é importante, mas descartar uma profissão só porque sua família julga que não seja a ideal é correr um risco enorme de arrependimento futuro.

  • Evite escolhas baseadas no seu bom desempenho em determinadas disciplinas. Ser engenheiro, por exemplo, envolve muito mais do que um bom desempenho em matemática e física.

  • Acima de tudo, assuma um compromisso com você, com os seus sonhos e vá em busca deles.

 

      Rosa Maria Cardoso

      Psicóloga com Cursos de Aprofundamento e Especialização em:

  • Orientação Profissional

  • Psicologia Clínica

  • Psicologia Escolar e Educacional

  • Psicopedagogia Clínica e Escolar 

  • Aconselhamento Familiar.